GUERRA E PAZ – PACIFICADORES

A Paz não existe sozinha, ela depende de corações pacíficos. E é isso que está faltando entre as pessoas: corações pacíficos. Jesus falava sobre isso há mais de 2000 anos atrás:

BEM-AVENTURADOS OS PACIFICADORES

O que nós aprendemos a respeito, temos mudado alguma coisa nesse sentido, ou temos ignorado os ensinamentos Dele?
Será que poderemos um dia alcançar corações pacíficos sem olharmos para Ele? Nós que cremos na cruz de Cristo, sabemos muito bem que isso não será possível, porque só Ele pode nos dar a paz. Só Ele pode mudar corações irados, rancorosos, em corações pacíficos.

Tivemos grande desenvolvimento intelectual, cultural, mas, sem desenvolvimento moral, o espiritual morreu dentro do ser humano, o conhecimento intelectual é usado para destruição.

A destruição da mente, através de sentimentos de militância, de guerra, de briga; sentimentos diversos que levam á todo tipo de sentimentos, menos a corações pacíficos.

Que haja Paz! Que hajam corações PACIFICOS!
Amém.

CRISTÃOS DEBAIXO DA ENGENHARIA SOCIAL

O que acontecerá com a Educação no mundo?

Os Cristãos também usam o ensino secular, as escolas, faculdades e universidades, sendo assim, independente de ser cristão, o seu conhecimento secular está baseado no que aprende nas instituições de ensino, no entanto essas instituições estão sendo manipuladas pelas ideologias psico-pedagógicas, que visam manipular a mente daqueles que são submetidos a ela, ou seja, os alunos; mas também professores são submetidos a isso quando aceitam a imposição ideológica. O processo de Engenharia Social é lento mas eficaz.

Infelizmente nossa geração já está bastante afetada com essa ideologia, com esse ensinamento, baseado na dominação, por isso muitos não conseguem enxergar, que já absorveram o pensamento ideológico.

Quais são as razões da profunda crise na escola? É possível encontrar uma espécie de vírus no gene de nossa sociedade e de nosso sistema educativo? Podemos concluir que é urgente uma redefinição do papel da escola e de suas prioridades?

Inúmeros pais e educadores, testemunham, estupefatos, a revolução em curso. Interrogam-se sobre as profundas mutações que de forma acelerada vêm ocorrendo em nosso sistema educativo. Porém, nenhum governo, seja de direita ou de esquerda, vem à público esclarecer os fundamentos ideológicos dessas constantes reformas no ensino e tampouco se preocupam em apresentar, de forma clara, as coerências e os objetivos dos métodos adotados.

Mas, ainda que tudo nos pareça muito obscuro, podemos encontrar todas as respostas na filosofia da revolução pedagógica que se expõe, em termos explícitos, nas publicações dos organismos internacionais como a Unesco, a OCDE(Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), o Conselho da Europa, a Comissão de Bruxelas e tantas outras.

Apoiando-se sobre textos oficiais desses organismos, mostrasse detalhadamente que o objetivo prioritário da escola atual não é mais possibilitar aos alunos uma formação intelectual e muito menos fazê-los adquirir conhecimentos elementares.

O que se pretende com a redefinição do papel da escola é torná-la nada mais do que o instrumento de uma revolução cultural e ética destinada a modificar os valores, as atitudes e os comportamentos das pessoas em escala mundial. As técnicas de manipulação psicológica, que não se distinguem muito das técnicas de lavagem cerebral, estão sendo utilizadas de forma maciça. Naturalmente, os alunos são as primeiras vítimas.

As mudanças são constantes e rápidas, a psicologia pedagógica está sendo aplicada a muito tempo em escolas, e principalmente em gestores e professores, que acabam se iludindo com um falso resultado de aprendizagem.

Até hoje essas técnicas de aprendizagens sócio construtivistas, só serviram para limitar o pensamento do indivíduo; principalmente em se tratando de priorizar o pensamento coletivo, em detrimento do indivíduo. Reduzem a capacidade do indivíduo de usar o raciocínio lógico, deixando o senso cognitivo de lado, você passa a não conseguir um entendimento lógico.

A Psicologia pedagógica na verdade tem sido aplicada em todas as áreas, com toda a população, de diversas formas, desde o ensino escolar até à área profissional nas empresas.

Parece uma teoria da conspiração, mas uma teoria que se concretiza ao nosso redor, a todo momento, somente tendo um entendimento mais apurado podesse perceber o que acontece, o mundo tem sido levado a acreditar que está no caminho certo, induzido a acreditar naquilo que diz, como se fosse a única verdade, a única maneira de se fazer as coisas, acreditando estar certo e os demais sendo considerados fora da realidade, quando na verdade essas pessoas foram preparadas psicologicamente, pedagogicamente para pensarem assim. A psicologia pedagógica tem funcionado perfeitamente nessas pessoas politicamente corretas.

A Pedra

O distraído nela tropeçou.
O bruto a usou como arma.
O empreendedor a usou para construção.
O camponês dela fez um assento.

Michelangelo dela fez uma escultura.
Davi com ela matou o gigante.
Jesus mandou remover para ressuscitar Lázaro.

Observe que a diferença não está na pedra, mas na atitude das pessoas!

Não existe “pedra” no seu caminho que você não possa aproveitá-la para o seu próprio crescimento.

Que Deus lhe dê sabedoria, para saber o que fazer com cada pedra que você encontrar tornando-as alicerce em sua vida

O que são mandrágoras citadas na Bíblia?

Flores de mandrágoras


“As mandrágoras exalam o seu perfume, e às nossas portas há toda sorte de excelentes frutos, novos e velhos; eu tos reservei, ó meu amado.” (Ct 7:13)

Curioso formato de raiz de mandrágoras

Talvez, em algum momento, você tenha ficado curioso em saber o que são mandrágoras mencionadas na Bíblia. Mandrágoras são plantas que possuem raízes de formato bastante estranho mexendo com a imaginação de muitas pessoas desde a antiguidade, e levando-as a crer em superstições. Atribuem-se a elas várias propriedades medicinais.

Na Idade Média as mandrágoras foram associadas a rituais de magia como mencionadas no romance Romeu e Julieta, ou no cinema em Harry Potter; daí o termo em inglês, Mandrake,

do nome do personagem em quadrinhos dos anos 1930 a meados de 1970.

Chá de ginseng coreano. Observe a figura na caixa.

O ginseng é o “parente” da mandrágora mais conhecido. Os chineses conhecem as propriedades do ginseng e o cultivam desde a antiguidade, porém são os coreanos que tem popularizado através de polivitamínicos ou chás a base de ginseng vendidos atualmente em muitos países. Em chinês se escreve “人参”, literalmente “aparência humana”; porém, em japonês, “人参” é “cenoura”, indicando ser também da mesma família de plantas.

A palavra mandrágora em japonês é “恋なす” (Koi-nassu); traduzido – “berinjela do amor” referindo-se ao fruto da planta. Outras formas encontradas no idioma japonês são: “朝鮮人参” (Cenoura coreana) e “マンドレーク” , do inglês Mandrak.

mandrágoras

Veja que começamos com o perfume de flores de mandrágoras; fomos às suas raízes de formas estranhas; passamos pelo personagem de quadrinhos; polivitamínicos; cenouras e agora berinjela?! Continuemos seguindo as pistas etimológicas: Berinjela em inglês é “Eggplant”, literalmente “planta ovo”. De fato, os frutos de mandrágoras se assemelham às eggplants.

Eggplants

Finalmente, mandrágoras em hebraico é “דודאים” (dûdã’im), que significa “planta amor”. Pelo seu nome e pela sua bela cor, muitas culturas a tem relacionada com fertilidade e concepção. Porém, a narrativa bíblica em Gênesis é suficiente para desmistificar a fama de planta milagrosa: O SENHOR Deus abençoou a estéril Raquel com dois filhos – sem mandrágoras.
“E lembrou-se Deus de Raquel, e Deus a ouviu, e abriu a sua madre” (Gn 30:22)

As palavras de Cântico dos Cânticos de Salomão 7:13 correspondentes no Novo Testamento estão em Mateus 13:51-52. O Senhor JESUS, depois de ter dado muitos ensinamento a grandes multidões que se reuniram perto Dele, explicou a relação entre o Antigo Testamento representado pelo escriba e “coisas novas” referindo-se às maravilhas do Seu ensinamento:
“Entendestes todas estas coisas? Responderam-lhe: Sim! Então, lhes disse: Por isso, todo escriba versado no reino dos céus é semelhante a um pai de família que tira do seu depósito coisas novas e coisas velhas.”

Entendeste todas estas coisas? Vede que não há nada místico nisto!

Às vezes, encontramos formas inusitadas em montanhas, nuvens, animais, vegetais e até em minerais, mas jamais podemos usar tais achados como amuletos ou qualquer outra forma de superstição. Você deve depositar a sua fé no CRIADOR, observar as Suas Palavras sem distorcê-las, e a ELE temer.

Recortado de: https://gloria-aleluia.org.br/mandragora/

A matemática legada por Deus

Em tudo está a mão de Deus, está a assinatura de Deus. O Homem sempre querendo tirar Deus da criação do mundo, através do big bang e outras teorias, mas a assinatura Dele está na sua obra, no céu, na terra, no mar; em toda a existência. Por mais que se venha a negar, a assinatura é incontestável pela perfeição, pela exatidão.

Uma seqüência numérica, a proporção áurea, está presente em todos os reinos da natureza e nas obras de arte.

Na matemática, a proporção áurea é representada através da letra grega Phi (φ), sendo esta inspirada a partir do arquiteto Phidias, que teria criado este conceito quando ajudou a projetar o Parthenon, em meados do século V a.C.

Por ANA ELIZABETH DINIZ – Terça 17/04/07 – 00h01

A beleza perfeita existe” Sim, é claro, a maioria de nós responderia afirmativamente se tivéssemos como parâmetro a própria natureza. Essa resposta só é possível porque passou pelo nosso olhar, nossa percepção sensorial do mundo. Mas o que muitos não sabem é que existe uma matemática da beleza.

Tudo, absolutamente tudo no nosso universo possui uma medida: 1,618, fi, a sequência de Fibonacci, conhecida como a proporção áurea. Esse número de ouro já era usado na antigüidade pelos gregos que criaram o retângulo de ouro com o qual construíram o Pathernon.

A profundidade dividida pelo comprimento ou altura gera um resultado: 1,618. Os egípcios fizeram o mesmo com as pirâmides: cada pedra era 1,618 menor que a de baixo, essa era 1,618 maior que a de cima e assim por diante.

Os cientistas descobriam que essa mesma seqüência está presente na proporção de abelhas fêmeas em comparação com abelhas machos numa colméia, nas espirais de um caracol, nas sementes de um girassol e nas folhas de uma árvore.

Os historiadores acreditam que essa foi a forma escolhida por Deus para fazer o mundo. Pintores renascentistas, grandes amantes da cultura pagã, colocaram essa proporção natural em suas obras.

Mas Leonardo Da Vinci foi além: ele usava cadáveres para medir a proporção do seu corpo e descobriu que nenhuma outra coisa obedece tanto a divina proporção que o corpo humano. Obra-prima de Deus.

Caso você queira fazer o teste, aí vai: meça sua altura e depois divida pela altura do seu umbigo até o chão; seu braço inteiro e depois divida pelo tamanho do seu cotovelo até o dedo. Surpresa” O resultado 1,618. Tudo, cada osso do corpo humano, é regido pela divina proporção.

E não só na Terra se encontra tal proporção. Nas galáxias as estrelas se distribuem em torno de um astro principal numa espiral obedecendo a essa mesma ordem, que também é cósmica.

Alguém pode explicar essa matemática perfeita orquestrada pelo arquiteto do universo” Galileu Galilei arriscou: “A matemática é o alfabeto com o qual Deus criou o universo”.

Professora usa arte para ensinar a proporção áurea

Por que uma página que aborda temas esotéricos vai falar sobre uma lei matemática” “Muito simples”, diz Fernanda Macahiba Massagardi, artista plástica e aluna da Universidade Estadual de Campinas: “Muitas pessoas não associam a matemática ao cotidiano, apenas às regras e fórmulas ensinadas nas escolas. Mas ela está presente em muitos fatos cotidianos e, por que não dizer, universais. Desde uma ida ao supermercado até a construção de um edifício precisamos utilizar a matemática”.

Fernanda nunca foi boa aluna de matemática. Chegou mesmo a ser reprovada no colegial. “Meu marido foi meu professor e me reprovou, com razão. Não fui uma aluna aplicada e não tinha notas suficientes para me formar”.

Mas tudo mudou quando a artista começou a estudar a relação da matemática com outras disciplinas. Uma das fontes bibliográficas utilizadas em sua pesquisa foi “O poder dos limites, harmonias e proporções na natureza, arte e arquitetura”, de György Doczi.

“Já no prefácio o autor do livro traz a seguinte mensagem: “Por que será que as flores da macieira apresentam sempre cinco pétalas” Por que usamos tantos números quantos os que podemos contar em nossos dez dedos” Perguntas como essas, só as crianças fazem. Os adultos dão pouca importância a elas, simplesmente aceitam, sem buscar a razão. Quando examinamos profundamente o padrão de uma flor de macieira, uma concha ou o balanço de um pêndulo, descobrimos aí uma perfeição, uma ordenação incrível que desperta em nós o sentimento maravilhoso que experimentamos quando crianças. Algo infinitamente maior que nós se revela e, ainda assim, é parte de nós mesmos: o ilimitado emerge dos limites”.

A partir daí ela desenvolveu um projeto de pesquisa de iniciação científica. “Descobri muitas vezes que existe poesia na matemática, que ela não é apenas uma fórmula a ser decorada e sim um meio de desvendar o universo”. Seu método de ensino se respalda na proporção áurea.

“Essa sequência está presente na obra La Parade de Georges Seurat e na construção da pirâmide de Queops. Historicamente há uma busca incessante pelo belo, pois todos os homens têm dentro de si grande capacidade estética e a necessidade de sustentar essa harmonia em meio ao caos. A proporção áurea traduz essa harmonia estética. E ela está presente em obras criadas sem essa intenção. Isso, a meu ver, está intimamente ligado à capacidade que o ser humano tem de entender a harmonia do universo intuitivamente. Essa proporção certamente está ligada ao Criador, assim como tantas outras. Acredito que Deus escreve “receitas” no universo, seja através da matemática, da poesia, da beleza e até mesmo das catástrofes naturais. Basta estarmos atentos para ler de maneira correta cada uma delas”.

A busca eterna da harmonia cósmica
LUIZ ANTÔNIO FONTES ARQUITETO

Beleza, um conceito que transcende o subjetivismo. O que é belo para uns pode não ser para outros. Mas onde está a beleza” Na exuberância das formas” Na harmonia das proporções” Essa discussão é velha. Há 3.000 anos já se tentava definir o belo através de cânones estéticos.

Como harmonizar as ciências exatas com as artes” É a lógica dos contrários, as duas faces de uma mesma moeda, os dois lados de nosso cérebro, de um lado a razão pura, o previsível, do outro a piração total, o indefinido, o incomensurável.

Na arquitetura, essa busca pelo equilíbrio das formas se torna quase sempre uma obsessão, e as relações entre os elementos pode muitas vezes ser definida matematicamente.

Mas o mais importante é a carga pessoal, as experiências desta e de outras vidas e a capacidade do ser humano de criar com a alma, e essa não se rege através de números ou fórmulas.

Sequência que define ritmo e movimento à vida
ROGÉRIA DE OLIVEIRA SOUZA/ ARQUITETA E PROFESSORA DE GEOMETRIA DA FUMEC

O que o arranjo das pétalas numa rosa vermelha, o quadro O Sacramento da Última Ceia, de Salvador Dalí, a top of mind Mona Lisa de Leonardo da Vinci, a forma da Via Láctea e obras arquitetônicas da Antiguidade Clássica.

Por mais díspares que possam parecer, esses elementos compartilham uma relação matemática oculta em toda a natureza, capaz de estruturar não apenas a música, mas os objetos geométricos, os seres vivos, a sociedade e a alma: a proporção áurea.

Encontramos o número fi na pintura, no corpo humano, nos animais, nas flores, na formação das árvores, nos frutos, na espiral logarítmica, no decágono regular, no pentágono regular, na pirâmide de Queops, nas danças clássicas, nas grandes catedrais da Idade Média, no “modulor” de Le Corbusier, na poesia de Virgílio, na música de Debussy, Schubert, Bach e Mozart.

Na série de Fibonacci, descoberta no século XII a partir da observação de padrões de crescimento encontrados na natureza, está presente a razão áurea. Os mestres da música fizeram amplo uso do recurso áureo em suas obras. Geralmente algo muito importante acontece nesse preciso instante.

Talvez por isso fi exerça um imenso fascínio não só nos matemáticos e geômetras, mas também em biólogos, artistas, arquitetos, psicólogos, músicos.

Por ser onipresente, tem inspirado reflexões em todas as disciplinas determinando ritmo e movimento à vida. Como disse Carlos Drummond de Andrade, “se procurar bem, você acaba encontrando não a explicação (duvidosa) da vida, mas a poesia (inexplicável) da vida.”

A Arte Divina de Jesus Cristo: convite para um banquete!

23/12/2020 21:15

        O evangelista Lucas relata-nos que José e Maria foram de Nazaré a Jerusalém, quando seu filho, Jesus, tinha a idade de doze anos, para participarem da Festa da Páscoa. Ao regressarem do evento, seus pais perceberam que Jesus não estava mais entre eles e regressaram a Jerusalém à sua procura. Somente três dias depois, encontraram o adolescente no templo, entre doutores, com os quais dialogava.

        Ali começou a primeira manifestação da arte divina de Jesus. Os doutores eram arguidos por ele com tão grande inteligência que se maravilharam com os conceitos espirituais que lhes eram transmitidos pelo jovem, como lemos no relato de Lucas, 2:47 a 49.

        Já adulto, após convocar para segui-lo seus primeiros discípulos, Jesus percorreu toda a Galileia “ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo” (Mateus, 4:23). Daí por diante, ele começou a ser seguido por grande multidão, não só da Galileia, como também de Decápolis, de Jerusalém, da Judeia e d’além do Jordão (id, vers. 24).

               Então, Jesus subiu a um monte e proferiu o mais belo e consolador poema de que se tem notícia na Terra: o Sermão do Monte, relatado por Mateus nos capítulos 5 a 7 do seu evangelho. Este sermão resume toda a Doutrina do Cristo. Bastar-nos-á segui-lo para ter uma vida santificada e abençoada no mundo. Sobre ele, disse Mahatma Gandhi: “Se se perdessem todos os livros sacros da humanidade, e só se salvasse o Sermão do Monte, nada estaria perdido”.

        Segundo Mateus, 13:34, Jesus ensinava por meio de parábolas. O sentido espiritual e moral de sua doutrina estava sempre presente nelas, que se destinavam não somente aos que as ouviam, mas a toda a humanidade, e em todos os tempos, como lemos no versículo 35: “[…] Abrirei em parábolas a boca; publicarei coisas ocultas desde a criação do mundo”.

        A arte divina de Jesus está presente no relato, por todos os evangelistas, dos seus discursos, debates e suas representações alegóricas, como a da figueira seca (Mateus, 21:18-22), a entrada triunfal em Jerusalém, montado num jumentinho (Marcos, 11:1-11), a expulsão dos vendilhões do templo (Lucas, 19:45, 46), a cerimônia de lava-pés aos seus discípulos (João, 13:3-8) etc. Sua linguagem é simples, por vezes clara, por vezes simbólica. Não somente é entendida pelos doutos, como também pelos incultos. Todos esses exemplos  demonstram-nos seu pleno domínio da linguagem e da arte, associado ao comando das forças da natureza, qual ocorreu nesta passagem:

E aconteceu que, num daqueles dias, entrou num barco com seus discípulos, e disse-lhes: Passemos para o outro lado do lago. E partiram. / E, navegando eles, adormeceu; e sobreveio uma tempestade de vento no lago, e enchiam-se de água, estando em perigo. / E chegando-se a ele o despertaram, dizendo: — Mestre, Mestre, perecemos. Ele levantou-se e repreendeu o vento e a fúria da água, que cessaram, e fez-se bonança. / E disse-lhes: Onde está a vossa fé? E eles, temendo, maravilharam-se, dizendo uns aos outros: — Quem é este, que até aos ventos e à água manda, e lhe obedecem? (Lucas 8:22-25).

          Que, neste Natal, convidemos nossas famílias para um banquete on-line, certos de que, em espírito, estaremos irmanados ao Cristo.  Façamos, assim, do mais jovem ao mais idoso, a leitura de cada versículo do Sermão do Monte. Não haverá melhor banquete do que este, pois a Divina Arte de Jesus alimenta nossas almas, não somente na presente existência, mas por toda a eternidade. Feliz Natal!

Ciência Política / Espíritualidade e Política → Crônicas Sociais → A Arte Divina de Jesus Cristo: convite para um banquete!

Originalmente em: https://www.sabedoriapolitica.com.br/news/a-arte-divina-de-jesus-cristo-convite-para-um-banquete/

Convite a um banquete!

Que, neste Natal, convidemos nossas famílias para um banquete, mesmo que on-line, certos de que, em espírito, estaremos irmanados ao Cristo.  Façamos, assim, do mais jovem ao mais idoso, a leitura de cada versículo do Sermão do Monte. Não haverá melhor banquete do que este, pois a Divina Arte de Jesus alimenta nossas almas, não somente na presente existência, mas por toda a eternidade.

Feliz Natal!

Texto completo: A Arte Divina de Jesus Cristo: convite para um banquete!

DEUS NUNCA ERRA !

Um rei que não acreditava na bondade de DEUS. Tinha um servo que em todas as situações lhe dizia: Meu rei, não desanime porque tudo que Deus faz é perfeito , Ele não erra!

Um dia eles saíram para caçar e uma fera atacou o rei. O seu servo conseguiu matar o animal, mas não pôde evitar que sua majestade perdesse um dedo da mão.

Furioso e sem mostrar gratidão por ter sido salvo, o nobre disse: Deus é bom? Se Ele fosse bom eu não teria sido atacado e perdido o meu dedo.

O servo apenas respondeu: Meu Rei, apesar de todas essas coisas, só posso dizer-lhe que Deus é bom; e ele sabe o por que de todas as coisas.

O que Deus faz é perfeito. Ele nunca erra! Indignado com a resposta, o rei mandou prender o seu servo. Tempos depois, saiu para uma outra caçada e foi capturado por selvagens que faziam sacrifícios humanos.

Já no altar, prontos para sacrificar o nobre, os selvagens perceberam que a vítima não tinha um dos dedos e soltaram-no: ele não era perfeito para ser oferecido aos deuses.

Ao voltar para o palácio, mandou soltar o seu servo e recebeu-o muito afetuosamente. Meu caro, Deus foi realmente bom comigo! Escapei de ser sacrificado pelos selvagens, justamente por não ter um dedo! Mas tenho uma dúvida:

Se Deus é tão bom, por que permitiu que você, que tanto o defende, fosse preso?

Meu rei, se eu tivesse ido com o senhor nessa caçada, teria sido sacrificado em seu lugar, pois não me falta dedo algum. Por isso, lembre-se: tudo o que Deus faz é perfeito.

Ele nunca erra! Muitas vezes nos queixamos da vida e das coisas aparentemente ruins que nos acontecem, esquecendo-nos que nada é por acaso e que tudo tem um propósito.
Todas as manhãs, ofereça seu dia ao Senhor Jesus.

Peça para Deus inspirar os seus pensamentos, guiar os seus atos, apaziguar os seus sentimentos. E nada tema, pois DEUS NUNCA ERRA!!!

Sabe porque você recebeu essa mensagem ? Eu não sei, mas Deus sabe, pois Ele nunca erra…

O caminho de Deus é perfeito e a sua palavra sem impureza. Ele é o caminho de todos que nele confiam, como diz em 2º Samuel 22:31.

Com certeza essa mensagem chegou em boa hora até você.

Deus esta colocando em seu coração o desejo de enviar essa mensagem para alguém.

Faça isso não se envergonhe você irá mandar para pessoa certa.

Deus sabe disso muito bem , sabe por que ?

Deus nunca erra!

=======================================

“As vezes é preciso estar em
silêncio para ser ouvido.”

Salmos 32

1 Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto.

2 Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano.

3 Quando eu guardei silêncio, envelheceram os meus ossos pelo meu bramido em todo o dia.

4 Porque de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim; o meu humor se tornou em sequidão de estio. (Selá.)

5 Confessei-te o meu pecado, e a minha maldade não encobri. Dizia eu: Confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado. (Selá.)

6 Por isso, todo aquele que é santo orará a ti, a tempo de te poder achar; até no transbordar de muitas águas, estas não lhe chegarão.

7 Tu és o lugar em que me escondo; tu me preservas da angústia; tu me cinges de alegres cantos de livramento. (Selá.)

8 Instruir-te-ei, e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; guiar-te-ei com os meus olhos.

9 Não sejais como o cavalo, nem como a mula, que não têm entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio para que não se cheguem a ti.

10 O ímpio tem muitas dores, mas àquele que confia no Senhor a misericórdia o cercará.

11 Alegrai-vos no Senhor, e regozijai-vos, vós os justos; e cantai alegremente, todos vós que sois retos de coração.